data='blog' name='google-analytics'/>

Seguidores

terça-feira, 31 de dezembro de 2013

O que esperar de Novo para 2014!!

Difícil a inspiração ao pensar no novo ano que por aí vem.  Difícil porque se termina em geral o ano com o cansaço acumulado de tudo o que foi vivido, trabalhado, sofrido e frustrado, defraudado, perdido.  E, no entanto, é preciso tentar animar-se, reerguer-se, preparar-se.  Pois dentro de poucos dias ele estará aí... 2014, um ano a mais.  E haverá que vive-lo.

E como vive-lo sem esperança?  Sem essa abertura de coração para a surpresa que deve caracterizar todo fim de ano?  Sem essa expectativa de que tudo será melhor, como enfrentar a longa sucessão de mais de 300 dias que se desdobra à nossa frente?  Como acolhe-la, saudá-la, beber champagne à sua chegada?

 O fato é que, como dizia o poeta maior, Carlos Drummond de Andrade, “Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta. Não precisa chorar arrependido pelas besteiras consumadas nem parvamente acreditar que por decreto de esperança a partir de janeiro as coisas mudem e seja tudo claridade, recompensa, justiça entre os homens e as nações, liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, direitos respeitados, começando pelo direito augusto de viver. Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre.”

Pois então vamos lá.  Sigo o poeta e penso: em lugar de esperar que aconteça, o que devo fazer para que o ano seja novo?  O que em mim tem que nascer, renascer, ser recriado para que o Ano tenha cheiro e gosto de manhã e não sabor murchado e dormido de anteontem?

Creio que a primeira coisa é sacudir a poeira dos hábitos e acomodações instalados em meu interior.  Com a idade vamos ficando ranzinzas, acostumados a certas coisas, horários, atitudes, seqüências...Tentarei deixar que os mais jovens – filhos, netos, alunos - baguncem minha vida e meus esquemas.  Que inventem e reinventem horários, prioridades, posição de móveis, ordem de alimentos, programas.  Deixar-se surpreender e passar o bastão de comando deve serbom.  Agora é a vez de eles inventarem a vida.  Quem sabe não a inventam melhor do que eu?

Depois em seguida vem a atenção à minha renovação particular.  Já que o tempo passa e certo declínio é inevitável, é bom no Novo Ano fazê-lo ao menos mais trabalhoso.  Renovar-se fisicamente, com atenção, carinho e cuidado ao irmão corpo para que o mesmo não pife.  Alimentá-lo saudavelmente, movimentá-lo para que não chie com artrites e males afins.  Ou chie menos. Cuidar-se, respeitar os ritmos do corpo, ouvir suas queixas e clamores.  Para oferecer aos outros uma presença mais tranqüila e menos incomoda.

Em seguida, e não digna de menos atenção, está a renovação interior, que anda muito descuidada e negligenciada.  O acúmulo de trabalho acaba sempre obstruindo veias e artérias da integridade intelectual e sobretudo espiritual.  O ativismo é febril e chega a sufocar.  No cansaço que marca este fim de ano, quem sabe não tento no ano que vem discernir melhor os compromissos, separar tempo em quantidade adequada para a leitura, a oração, o lazer.  E assim não atravessar madrugadas ou passar noites insones para dar conta de tudo.

Renovar igualmente o cuidado com as relações.  Refazer laços antigos que por alguma razão afrouxaram ou ameaçam romper-se.  Cuidar com especial atenção dos novos amigos que ainda são plantas frágeis no jardim da vida e merecem olhar mais profundo e comunicação mais intensa.  Incluir os distantes e os tristes, os sozinhos e os abandonados, aqueles que não percebemos que foram se afastando porque não podem mais participar das nossas circunstancias por vários motivos: falta de forças, de dinheiro, de tranqüilidade...enfim todas as faltas que cavam em nós abismos intransponíveis.

E se tudo isso não conseguir ser feito, a portar ali onde sou sempre esperada e onde meus tantos anos já tão vividos são sempre renovados por um amor que jamais se desgasta, diminui ou envelhece.  Em Deus que é sempre novo e que a cada manhã me desperta como um Pai, ou um noivo, ou um Amigo maior dizendo-me que a vida me espera e que sou sempre convidada a vivê-la intensa e plenamente. Feliz 2014 para todos e todas!
fonte: http://amaivos.uol.com.br