data='blog' name='google-analytics'/>

Seguidores

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Convivência com vizinhos!!!



Nos dias que vivemos, tal tem sido a preocupação dos pais em proteger seus filhos de dificuldades que, por vezes, exageram.


Assim é, por exemplo, com respeito a relacionamento com vizinhos. 

A falta de respeito de algumas pessoas, que ultrapassam os limites do equilíbrio, tem gerado, é verdade, situações embaraçosas. 

Mas, os conflitos humanos, impondo condutas de distanciamento, evitam a prática da fraternidade que sustenta os sentimentos e lhes dá vigor. 

As comunicações virtuais, por sua vez, têm isolado as pessoas nos lares, afastando-as de convivência salutar. 

Como conseqüência, passamos a sentir as dificuldades de convivência humana aumentarem. 

Olhando para os nossos vizinhos de apartamento, de residência, damo-nos conta que raramente nos comunicamos. 

Mesmo quando nos encontramos nos elevadores, nos parques, nas ruas, nossa comunicação se limita a frases curtas e respostas monossilábicas. 

Assim, a família vai se fechando cada vez mais. E isso prejudica a educação dos filhos e a convivência agradável. 

O homem é um ser gregário, por isso, a convivência com o próximo é uma necessidade de alta significação. 

Estar com o outro, conviver com ele faculta o desenvolvimento da sensibilidade afetiva, que trabalha em favor dos sentimentos elevados do ser humano. 

A vida social propicia entendimento fraterno, trabalho coletivo em favor da solução de problemas-desafios, que a todos atingem. 

Na educação infantil, a convivência com vizinhos é importante. 

Sem envolvimentos emocionais profundos entre as pessoas, que possam gerar conflitos, manter a boa vizinhança é altamente benéfico. 

O vizinho, na condição do próximo menos distante, é oportunidade de convivência edificante, através da cordialidade, da urbanidade, do respeito. 

Em se tratando de nossa criança, é importante estimulá-la a buscar a companhia dos amigos vizinhos, a se divertir com eles, estudarem juntos, resolvendo seus deveres escolares. 

Tudo isso é significativo para a construção social. 


Naturalmente, os pais estarão vigilantes, estabelecendo regras e critérios para que a convivência não se transforme em algo indisciplinado e constrangedor. 

O vizinho, pela sua proximidade física, proporciona ensejo de amizade, permitindo o exercício da bondade, enquanto se trocam conhecimentos úteis. 

Se os pais mantêm agradável convivência com os vizinhos, evitando comentários indevidos, censuras e reproches, os filhos os imitarão. 

Isso porque a criança imita sempre os atos dos adultos, no lar, na rua, na escola. 

Convivendo com nossos vizinhos, estimulando as crianças a fazerem o mesmo, estaremos contribuindo para uma valiosa conquista ética do grupo humano, que marcha para uma sociedade mais harmônica. 

31 de outubro - Dia do Saci!










A figura do saci surge como um ser maléfico, como somente brincalhão ou como gracioso, conforme as versões comuns ao sul.[4]
Na Região Norte do Brasil, a mitologia africana o transformou em um negrinho que perdeu uma perna lutando capoeira, imagem que prevalece nos dias de hoje. Herdou também, da cultura africana, o pito, uma espécie de cachimbo e, da mitologia europeia, herdou o píleo, um gorrinho vermelho usado pelo lendário trasgo.[5] Trasgo é um ser encantado do folclore do norte de Portugal, especialmente da região de Trás-os-Montes. Rebeldes, de pequena estatura, os trasgos usam gorros vermelhos e possuem poderes sobrenaturais.
O saci é um negro jovem de uma só perna, portador de uma carapuça sobre a cabeça que lhe concede poderes mágicos. Sobre este último caractere, é de notar-se que, já namitologia romana, registrava Petrônio, no Satiricon, que o píleo conferia poderes ao íncubo e recompensas a quem o capturasse.[4]
Considerado uma figura brincalhona, que se diverte com os animais e pessoas, fazendo pequenas travessuras que criam dificuldades domésticas, ou assustando viajantes noturnos com seus assovios – bastante agudos e impossíveis de serem localizados. Assim é que faz tranças nos cabelos dos animais, depois de deixá-los cansados com correrias; atrapalha o trabalho das cozinheiras, fazendo-as queimar as comidas, ou ainda, colocando sal nos recipientes de açúcar ou vice-versa; ou aos viajantes se perderem nas estradas.[4]
O mito existe pelo menos desde o fim do século XVIII ou começo do XIX.[4]
A função desta "divindade" era o controle, sabedoria, e manuseios de tudo que estava relacionado às plantas medicinais, como guardião das sabedorias e técnicas de preparo e uso de chá, beberagens e outros medicamentos feitos a partir de plantas.
Como suas qualidades eram as da farmacopeia, também era atribuído, a ele, o domínio das matas onde guardava estas ervas sagradas, e costumava confundir as pessoas que não pediam a ele a autorização para a coleta destas ervas.

Literatura





Mais tarde, em 1921, o autor voltaria a recorrer ao personagem, no livro O Saci, seu segundo trabalho dedicado à literatura infantil.O primeiro escritor a se voltar para a figura do saci-pererê foi Monteiro Lobato, que realizou uma pesquisa entre os leitores do jornal O Estado de S. Paulo. Com o título de "Mitologia Brasílica – Inquérito sobre o Saci-Pererê", Lobato colheu respostas dos leitores do jornal que narravam as versões do mito, no ano de 1917. O resultado foi a publicação, no ano seguinte, da obra O Saci-Pererê: resultado de um inquérito, primeiro livro do escritor.[6].

Histórias em quadrinhos

O quadrinhista Ziraldo criou em 1958 a série Turma do Pererê, em que o Saci contracena com o índio Tininim, a onça-pintada Galileu e outros personagens. As histórias foram originalmente publicadas na revista O Cruzeiro[7].
Em 2010, o ilustrador Giorgio Galli publicou a primeira edição de sua revista independente de quadrinhos de terror Salomão Ventura - Caçador de Lendas. Na primeira aventura do personagem, o saci é apresentado como uma figura demoníaca, que leva suas vítimas à loucura e à morte.[8]
pesquisa Wikipédia.



Quem nunca brincou de saci pererê? 

Dobrou uma perna e fingiu ser um saci?




Hoje é dia do Saci, essa figura que nasce no broto do bambu e que se assoviar perto é porque está longe, mas se assoviar longe é porque está pertinho do seu cangote, hehehehe! 

Não copie sem dar créditos! 






terça-feira, 30 de outubro de 2012

15 coisas para fazer ao beijar!


1. Suavidade, sempre: mova seus lábios suavemente. É a melhor forma de quebrar o gelo

2. Suavidade, de novo: trate de seguir o ritmo da outra pessoa se é suave, ou impor o seu, se não está confortável, mas evite afobação

3. Não à mesmice: mude os movimentos da boca e da língua para descobrir sensações novas.

4. Boca limpa: escove sempre muito bem os dentes. Nada pior do que dentes sujos ou com tártaro.

5. O ambiente também importa: se você estiver planejando o primeiro beijo com aquela pessoa especial, escolha um momento romântico e um lugar legal. Os beijos sempre ficam melhores quando o resto ajuda.

6. Mantenha a expectativa: se beijar é bom, manter o interesse da outra pessoa é ainda melhor. Não fique beijando o tempo inteiro... saiba a hora de parar um pouco, conversar e dar um tempinho antes de começar de novo.

7. Diminua o ritmo na hora certa: antes de parar o beijo, dê uma esfriada nele. Não é muito legal deixar a outra pessoa na vontade...

8. Perfume, sim: um cheirinho agradável no pescoço sempre é legal. Mas cuidado para não exagerar...

9. Abrace e acaricie: ao beijar alguém, você não tem que parar de fazer tudo. Use as mãos para fazer carícias e abraçar a outra pessoa. Cafunés são fundamentais...

10 Relaxe!: a melhor forma de dar um bom beijo é disfrutá-lo e o sentir. Ou seja, não adianta ficar tremendo na hora H.

11. Escolha bem a pessoa: beijar por beijar nem sempre é legal. Escolha bem a pessoa, a ocasião... escolhas erradas sempre dão resultados ruins.

12. Use os dentes: umas mordidinhas nos lábios são bastante excitantes para a maioria das pessoas. Vá com calma, mas não deixe de experimentar.

13. Feche os olhos: assim você poderá se concentrar no que está fazendo. Fora que é muito desagradável beijar alguém que está sempre de olhos abertos... parece que está procurando outra pessoa mais interessante para beijar, não?

14. Sorria depois: mostre à outra pessoa que você gostou do beijo. Se você ficar com uma atitude séria, vai parecer que o beijo foi horrível.

15. Dê um selinho ao parar: quase todo mundo gosta. Depois de dar aquele beijo de parar o trânsito, ao terminar, volte e dê só um selinho. Isso deixa a outra pessoa com vontade de beijar mais...






Fonte: www.ufg.gov.br



Como combater o Mau Humor!


O mau humor é um problema que afeta a maioria das pessoas em um dado momento de suas vidas, ele é capaz de alterar o comportamento e fazer com que o individuo assuma uma postura agressiva e impaciente para lidar com as situações. O mau humor pode atrapalhar o convívio em sociedade e afastar as outras pessoas.
Alguns cientistas acreditam que o mau humor pode ser mais que uma simples alteração de comportamento e sim uma doença crônica que requer tratamento. Estudos mostram que esse distúrbio afeta a personalidade e conduz a quadro de depressão.
Por isso, é fundamental que você controle o seu humor e tente encarar as situações sempre pelo lado positivo. Quando se sentir estressado ou ansioso, faça algum tipo de atividade que proporcione prazer: ler um livro,viajar, fazer sexo, sair com os amigos ou praticar esporte.

Dicas para não ser incoveniente!


Nada pior do que deparar-se com aquela pessoa “sem noção”, que faz perguntas indiscretas, espaçosa demais, muito insistente. Pessoas assim acabam por afastar as outras e, literalmente, sabotam a própria imagem pessoal e profissional, tornando-se alguém indesejável para se conviver. Por isso, preste atenção se você não está cometendo algumas gafes que repelem os outros, tais como:

• Ser muito insistente. Ficar insistindo para que alguém vá a determinado lugar ou evento, comer mais, beber mais etc. Se a pessoa disser não, é porque realmente ela não quer. Não insista.
  Fazer perguntas ou comentários indiscretos como: a idade, se fez plástica, se engordou ou emagreceu e, principalmente, o preço de algo que ela possui. Preço, não se pergunta nunca!
  Falar sobre suas filosofias tentando convencer o outro em relação a religião, política, hábito alimentar. Cada um acredita no que acha melhor para si.
• Conversas depressivas são um horror, principalmente em momentos festivos.Ninguém merece ficar ouvindo um rosário de lamentações.
• Falar próximo demais e tocar as pessoas é muito desagradável. Já ouviu falar de espaço pessoal?
• Não se convide para nada. Se você ouvir pessoas comentando sobre algum evento, não se convide, nada mais “entrão” do que se convidar. Se alguém fizer questão da sua presença, o convite virá naturalmente.
• Visitar sem avisar. Terrível! Principalmente para quem tem crianças e em horários indesejados.
• Saiba a hora de ir embora. A maioria dos convidados já foram, os donos da casa ou evento bocejando, e você está lá, firme e forte! Com certeza, nunca mais será convidado a retornar ao local.
Fiquem ligados!
Bjs,
à bientôt.