data='blog' name='google-analytics'/>

Seguidores

sábado, 16 de outubro de 2010

Pesquisa atesta que homens são mais fofoqueiros que mulheres: 31% deles preferem falar a transar


Eles gastam 24 minutos a mais que elas falando amenidades no trabalho, diariamente

POR ÉLCIO BRAGA, RIO DE JANEIRO
Rio - A língua dos homens está mais comprida do que a das mulheres. Pesquisa mostra que eles perdem 76 minutos diários falando sobre amenidades com colegas de trabalho, enquanto as mulheres, só 52 minutos. Homens costumam comentar peripécias de amigos bêbados, recordar tempos da escola e saber sobre a mulher mais bonita no emprego.

O estudo do Instituto OnePoll entrevistou 5 mil pessoas na Inglaterra. Em 22 dias, homens tricotam quase nove horas a mais. Mas o sexo frágil tem língua mais ferina: critica outras mulheres, fala da vida sexual de conhecidos e comenta o peso das amigas. O estudo fez descobertas: 58% dos homens admitem que fofocar os deixam enturmados e 31% gostam mais de fofocar com a parceira do que fazer sexo.



No Brasil, a pesquisa gerou tititi. “Homem faz comentários. Fofoca quem faz é mulher”, contesta operador Claudio Fernandes, 38 anos. “Todo mundo gosta de falar da vida alheia. Mas não sou fofoqueiro”, nega o motorista Luis Claudio Almeida, 39 anos.

O fofoqueiro número 1 do Brasil é homem: Nelson Rubens. Silvio Santos lhe conferiu o título nos anos 70. “Homem e mulher fazem fofoca. O que muda é o assunto”. Nelson é autor do bordão “eu aumento, mas não invento”. Ele aproveita para mandar ver: “Tem atriz da Globo que ao sair com galã novinho disse que ninguém poderia saber. “Ele respondeu: ‘Assim eu não quero’”.
Quem faz mais fofoca, na sua opinião?