data='blog' name='google-analytics'/>

Seguidores

sábado, 26 de junho de 2010

Vinho, por favor…


Vinho, por favor…

Carmen Cagnoni
Você adora a bebida, mas não sabe como fazer uma escolha correta? Para entender sobre vinhos, é importante ler o rótulo da garrafa para identificar o produtor, a uva, a safra, a procedência e o teor alcoólico. De acordo com o consultor de vinhos Duda Zagari, da Boutique de Vinhos Confraria Carioca, no Rio de Janeiro, e membro da Associação Brasileira de Sommeliers e diretor da SBAV-RJ (Sociedade Brasileira dos Amigos do Vinho), no universo da bebida também existem exceções. Vinhos de algumas procedências, como da França, não identificam o nome da uva. Segredo? Não. “Em alguns países do Velho Continente, não se menciona tal dado, pois na legislação local só são permitidas algumas variedades da fruta. Na Borgona, por exemplo, todos os vinhos tintos são feitos da uva Pinot Noir e todos os brancos dessa região são elaborados com a uva Chardonnay”, explica Duda Zagari.
De olho na taça
Você sabia que a cor do líquido pode revelar a idade dele? Um tinto jovem deve apresentar uma variante mais forte, como vermelho rubi intenso, enquanto um tinto de guarda (que tem em torno de 15 anos), deve revelar um tom de vermelho tijolo. O perfume também mostra a qualidade da bebida. “Os apreciadores identificam os aromas, buscando sua memória olfativa. Mexemos a taça para que esses aromas se abram, para percebermos com mais nitidez o que eles nos remetem”, acrescenta Duda Zagari.

Boa companhia

Para harmonizar bebida e comida é importante ter em mente os ingredientes usados nos molhos e temperos dos pratos. Um tinto leve, por exemplo, pode ser combinado com frango ou peixe, desde que esses pratos sejam mais condimentados.
• De uma maneira geral o vinho tinto deve ser harmonizado com carne vermelha ou massas encorpadas, enquanto os brancos vão muito bem com peixes, frangos e frutos do mar.
• Queijos moles vão melhor com os brancos e queijos de casca dura com os tintos. O queijo gorgonzola combina muito bem com vinhos fortificados ou vinhos do Porto. Mas isso não é uma regra.
• Ao contrário do que muitos acreditam, o melhor acompanhamento para fondue de queijo é o vinho branco e não o tinto.
Compra certa
Na hora de escolher a sua garrafa esteja atenta:
• Normalmente, os vinhos encontrados em supermercados não são armazenados de maneira exemplar, mas há exceções.
• Procure efetuar a compra em locais de confiança, de preferência onde conheça o vendedor, para pedir sugestões.
• Existem vinhos para todos os paladares e bolsos. Um vinho caro não é sempre bom e um barato ruim. A máxima que quanto mais velho e mais caro, melhor, só é válida para grandes vinhos de guarda (que chegam a demorar 50 anos para atingir sua plenitude). Existem outros, elaborados para consumo imediato, no máximo em cinco anos.
• Duda Zagari cita cinco exemplos de vinhos nacionais, “que não perdem em nada no quesito qualidade e paladar para os famosos e importados”:
1. Villa Francioni Sauvignon Blanc – R$81,80. Na www.vinhosevinhos.com
2. Villa Francioni VF – R$ 98,50. Na www.bonnamania.com.br
3. Minimus Anima – Marco Daniele – R$ 119,00. Na www.saintvinsaint.com.br
4. Espumante Don Giovanni – R$ 38,60. Na www.vinhosevinhos.com
5. Lidio Carraro Tannat – R$ 186,00. Na www.lidiocarraro.com.

Não esqueça a etiqueta

O garçom traz o vinho escolhido e serve a quem fez o pedido. Seja homem ou mulher. Cabe à pessoa experimentar a bebida e aprová-la, para que então ela seja servida aos outros convidados.