data='blog' name='google-analytics'/>

Seguidores

sábado, 1 de maio de 2010

Ivo Meirelles capota com carro no Jardim Botânico



Veículo do cantor capotou três vezes após colidir com um Gol

POR CHARLES RODRIGUES
Rio- O cantor e compositor Ivo Meirelles capotou com o seu carro, um Ford Captiva, na madrugada deste sábado, após colidir com um Gol cinza, no cruzamento das Ruas Jardim Botânico com Pacheco Leão, no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio. Apesar da violência da batida, Meirelles não ficou ferido. Os dois ocupantes do Gol também saíram ilesos do acidente.
Foto: Osvaldo Praddo/Ag. O 
Dia
Ivo Meirelles confere o estado de seu carro após o acidente | Foto: Osvaldo Praddo/Ag. O Dia
Muito abatido, Ivo Meirelles contou que seguia pela Rua Jardim Botânico, sentido Gávea, quando ocorreu a colisão. O cantor alegou que estava trafegando em velocidade moderada. Ivo acusou o motorista do Gol de ter avançado o sinal de trânsito e atingido a traseira do seu carro, que teria capotado três vezes na pista.   
"Estava vindo devagar e de repente meu carro foi atingido por outro veículo que passava pelo cruzamento. Meu carro capotou três vezes. Grças a Deus, estava sozinho. Estou assustado. Só tive tempo de rezar", contou Ivo, que seguia para sua casa, no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.

Meirelles acusou o motorista do Gol de estar embriagado
"O rapaz estava bêbado. Ele cometeu um erro grande. Poderia ter me matado. Trânsito é coisa séria. Espero que esse acidente sirva de alerta. Fui salvo pela blindagem do meu carro, que me protegeu durante a capotagem", disse Ivo Meirelles, atual presidente da Escola de Samba Estação Primeira de Mangueira.

O estudante de Direito Daniel Mouffron, de 23 anos, motorista do Gol, negou que estivesse bêbado. Segundo o pai dele, que preferiu não se identificar, estudante  não avançou o sinal de trânsito.
"Meu filho está sóbrio. É muito difícil saber quem está certo em um acidente na  frente de um cruzamento", respondeu.

De acordo com policiais do 23º BPM (Leblon), que fizeram o boletim de registro de acidente de trânsito (Brat), não havia como realizar o teste do bafômetro no local por não terem o equipamento disponível. Como não houve vítima, os envolvidos no acidente assinaram o boletim de ocorrência e foram liberados.